19/11/2020

.

A Escola Comportamental da Administração afirmava que o comportamento das pessoas na organização não era racional, apenas obedecia a um impulso social e era determinado pela influência de um grupo formado por diversas pessoas. Estudos realizados até a década 1960 concluíram que a motivação e a produtividade dos empregados surgiam a partir de tratamentos positivos. No entanto, a automação e as inovações tecnológicas mudaram o perfil de trabalho das pessoas dentro das empresas. Antes as pessoas eram importantes nas tarefas rotineiras, e, agora, o conhecimento as estimula para as atividades racionais.

Contudo, o ambiente atual, baseado na chamada globalização ou sociedade do conhecimento, é caracterizado principalmente pela alta competitividade econômica e diferencia-se de épocas passadas, também pela maneira como as pessoas utilizam as informações e aplicam suas experiências, valores, crenças e percepções na produção de bens e serviços.

O estudo da motivação tenta explicar as forças ou motivos que influenciam o desempenho das pessoas em situações de trabalho e o entendimento desse processo é de suma importância para a administração das organizações uma vez que o desempenho da empresa depende do desempenho das pessoas e o desempenho das pessoas está diretamente relacionado à sua motivação.

A palavra motivação deriva do latim motivus, movere, que significa mover. Em seu sentido original, a palavra indica o processo pelo qual o comportamento humano é incentivado, estimulado ou energizado por algum tipo de motivo ou razão. Motivo, motor e emoção são outras palavras que têm a mesma raiz. O comportamento humano sempre é motivado, sempre há um motor funcionando, que o movimenta.

Motivação para o trabalho é um estado psicológico de disposição favorável ou positiva, interesse ou vontade de perseguir ou realizar alguma tarefa ou meta. Essa motivação é resultante de uma combinação complexa de motivos internos, relacionados às necessidades humanas, e de motivos externos relacionados à situação ou ambiente.

Para administrar pessoas é necessário considerar a complexa natureza do homem, que é influenciado por fatores internos e externos, que se combinam para determinar o seu desempenho (entre eles a motivação) que faz parte do ciclo motivacional, que se completa com a satisfação, ou frustração, ou ainda com a compensação de necessidades humanas. Para Buchsbaum motivação “é o estado de espírito que estimula as pessoas a irem pra frente em direção ao que elas querem, com vontade e brilho nos olhos”.

As empresas são constituídas por diversos subsistemas como produção, apoio (disposições e relações institucionais), manutenção (vincula as pessoas a seus papéis funcionais), adaptativos (dizem respeito às mudanças organizacionais), gerenciais (direção e controle) e sociais entre outros. O subsistema social compreende todos os aspectos das pessoas que compõem a organização. É considerado um dos mais importantes e complexos, pois diz respeito ao elemento humano e todas as variáveis que o cercam, inerentes ao ambiente organizacional como as necessidades dos indivíduos, suas criatividades, seus objetivos individuais, sua motivação, capacidade de liderança e outros relacionados ao seu desenvolvimento de habilidades.

A gestão do subsistema social é um dos fatores críticos de sucesso empresarial, uma vez que deve administrar vários grupos de pessoas com diferentes crenças e valores, objetivos pessoais e profissionais, situações socioeconômicas e familiares, faixas etárias, entre outras peculiaridades, considerados elementos chave do comportamento organizacional. O fator essencial para que as empresas alcancem seus objetivos está no quanto conseguem harmonizar o funcionamento desse subsistema, de forma que ele atue como um elo sistêmico, uma vez que esse influencia na movimentação de todos os demais, que isoladamente não funcionariam.

No processo administrativo a motivação tem uma importância inquestionável, visto que ele só se realiza com eficiência e eficácia se as pessoas se dispuserem a isso e forem alocadas adequadamente para executarem suas funções, e, como consequência, sentirem-se motivadas para tais execuções. Não há salário que estimule uma pessoa a realizar uma entrega para a qual ela não esteja motivada. Por outro lado, uma pessoa motivada realizará entregas que superarão qualquer expectativa da empresa.

Michelângelo não passou dezesseis anos pintando a Capela Sistina por dinheiro. Napoleão não invadiu a Europa por salário ou recompensa. Irmã Dulce não realizou as incontáveis ações humanitárias por reconhecimento ou poder. Os milhares de seguidores de Hitler não o seguiam e obedeciam por salário. As pessoas são movidas por ideais! São movidas! São motivadas!

Autora: Rita Luz

Entre em contato conosco

Solicite maiores informações

Preencha nosso formulário e entraremos em contato em breve

Como podemos ajudar você?